Pesquisar este blog

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Rebanho visitando o Danúbio

Final do ano se aproximando, o Rebanho Viajante em nova aventura, desta vez na região do Rio Danúbio, começando por Budapeste, a Pérola do Danúbio. Na verdade, a viagem começou na noite de terça-feira, com um vôo para Paris, onde fizemos uma rápida conexão, chegando em Budapeste no início da noite de quarta-feira (claro que deu tempo de comprar no Charles de Gaulle um nacional bordolês e alguns queijinhos fedidinhos que já empesteiam nosso frigobar).  Como a noite, nesta época do ano, chega por volta das 4:30 da tarde na Hungria, nossa primeira impressão da Cidade foi com iluminação noturna; nada mais lindo. Budapeste possui dezenas de castelos, pontes e monumentos, todos muito bem conservados (pichação é algo inexistente por aqui), com iluminação noturna, criando um ar bucólico, porém romântico. Em que pese a longa viagem, ainda restou um tempo para um breve passeio pelo centro (a segurança aqui é completa, não havendo risco algum), que terminou com um goulash soup e um cabernet franc local, surpreendente aliás. Ainda, para fechar a noite, tomamos um drink em um Ice Bar, cuja temperatura interior é de pouco menos de 10 graus negativos, onde pudemos sentir a sensação do ridículo, com roupas de pinguim (coisas de turista). Quinta-feira, com o efetivo início da viagem, após uma malhação de uma hora e meia na academia e um muito bem servido café-da-manhã, saímos para desvendar as belezas da capital húngara. 10 horas na manhã, aguardava-nos Kriztina, nossa guia local, com Cz... (prometemos depois grafar o nome corretamente), nosso motorista. A primeira impressão que salta aos olhos, é a simpatia e a educação do povo local, especialmente em relação à disciplina dos motoristas no trânsito (basta, por exemplo, o pedestre se aproximar da faixa de segurança, que de imediato os motoristas param os carros, para que se possa realizar a travessia). Após uma rápida visão da cidade, onde pudemos conferir a beleza arquitetônica do local, parecendo-nos uma feliz mistura de Paris com Berlim, fizemos nossa primeira parada na Praça dos Heróis. Uma imensa praça construída nos fins do século XIX, em 1896 mais precisamente, ano de comemoração do milênio da civilização húngara na Europa (povo originalmente bárbaro da Asia, vizinho dos Hunos, fixado aqui no ano de 896). Anexo ao local, um imenso parque, com zoológico, termas e um parque de exposições construído para a Feira Universal, realizada aqui naquele ano. Lagos artificiais, abastecidos com águas termais de quase 80 graus de temperatura, criando um clima peculiar e pitoresco, com os vapores emanados das águas. Aproveitamos para conhecer uma Estação Termal, ricamente decorada, numa edificação clássica de muito bom gosto, intensamente frequentada pelos locais, inclusive com tratamentos cobertos pelo Sistema de Saúde oficial. A bordo de nossa Skoda Fabia, fomos levados às margens do Danúbio, para visitar o impressionante Parlamento Húngaro (o segundo em área construída da Europa - menor apenas do romeno, localizado em Bucareste, que havíamos conhecido no ano passado).  No caminho, como havia tempo, fizemos uma rápida visita ao Café New York, que as imagens melhor poderão definir a beleza e suntuosidade do local. Chegando ao Parlamento, um prédio riquíssimo, com uma decoração fabulosa, onde, mesmo com os trabalhos legislativos sendo executados, pudemos visitá-lo. O clímax da visita, sem dúvida, são as jóias húngaras, presenteadas pelo Papa à Santo Estevão, cerca de 1.000 anos atrás, primeiro rei da Hungria, cujo principal feito foi a conversão do povo ao cristianismo. Finda a deslumbrante visita, hora de conhecermos um restaurante muito popular, uma Casa de Strudel. Bom, almoçamos strudel salgado, sobremesa de strudel doce, acompanhados com diversos vinhos húngaros, cada vez mais surpreendentes em sua qualidade. Por fim, ainda fomos visitar o mercado central, erigido sob a batuta do arquiteto Eiffel (aquele que construiu a torre em Paris), onde melhor se pode constatar as delícias dos produtos húngaros, além da artesania local. Ufa, já escuro - embora por volta das 4 e meia da tarde, fomos para o Hotel, pois ainda tínhamos, no início da noite, uma navegação sobre o Rio Danúbio e um jantar no mais famoso e tradicional restaurante da Hungria, o centenário Gundel. Bom, chega de escrever, daqui a pouco já é hora da academia novamente. Então, vamos às imagens:

Nossa rota inicial

Já em Paris, no aeroporto Charles de Gaulle, no trem interno que faz a ligação dos diversos terminais

Nosso transfer em Budapeste, com as malinhas de Dna. Ovelha

O lindo e seguro centro de Budapeste à noite

Dna. Ovelha investigando o comércio local, pra variar

Sr. Carneiro pousado de barman abaixo de 0º

Realmente interessante de se conhecer - e nunca mais voltar kkkk

Uma das diversas pontes que fazem a ligação de Buda com Peste, sobre o Ria Danúbio

Praça dos Heróis - a justa homenagem àqueles que fizeram a história da Hungria

O local foi construído para comemorar 1.000 anos da nação húngara

A arquitetura da praça recorda um pouco Berlim

Aliás, uma mistura de Berlim com Paris, foi a nossa impressão inicial

Kriztina - nossa simpática, solícita e competente mestra em Budapeste

O interior do Parque Termal localizado no centro da cidade
Entrada do parque construído para a Feira Mundial de 1896

Dna. Ovelha lembrando de sua fisioterapeuta Fabia - até aqui?

Nosso piloto (que prometo grafar seu nome na próxima edição) e nossa potente Skoda-Fabia

O Café New York - um luxo, como diria Patrese e seu sósia Flávio

Fantástica, a cafeteria é um anexo do Hotel Boscolo, local restaurado no pós guerra

Ainda no Hotel Boscolo

Um rápido papinho com um martir local, assassinado pela milicia soviética em 1958


Nas paredes em frente ao Parlamento, uma representação artística dos disparos promovidos pelo exército soviético, quando da repressão da tentativa de revolução de 1956

O portentoso Parlamento da Hungria

O luxuoso local, em plena atividade legislativa

As jóias da coroa húngara, presenteadas pelo Papa quando da conversão do povo ao cristianismo

Uma das alas do Parlamento

O Plenário. Uma curiosidade: após contarem com mais de 700 parlamentares, por força de lei, o número vem sendo reduzido, devendo, nas próximas eleições, chegar a menos de 300 (deveríamos pensar no assunto, em terras tupiniquins)

A variadade de strudel - doces e salgados

Nós e Kriztina, degustando strudel com vinho húngaro

Fachada da Casa do Strudel

Ponte Verde - quem sabe a mais linda sobre o Rio Danúbio, em Budapeste

O interior do Mercado Municipal Central 

Dna. Ovelha e a páprica local

O Danúbio à noite e, ao fundo, o Castelo localizado em Buda

O Parlamento visto do Rio, à noite

O tradicional e premiado Restaurante Gundel

Um fim de noite regado a uma degustação de vinhos e pratos húngaros, ao som de Piazzolla. O local evocou lembranças do Restaurante Hungaria, que muito foi frequentado pelo Rebanho, ainda mesmo em tempos de namoro

5 comentários:

  1. Que delicia!! Estive aí em Setembro e adorei....só uma diferença...estava bem mais quente...aproveitem..bj

    ResponderExcluir
  2. Maravilha, aproveitem um forte abraço,Mingo e harem

    ResponderExcluir
  3. Aprendi!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Maravilha de viagem, e que sorte começarem à bordo de um Skoda Fabia! Rs...Ja vi muitos, mas nunca pilotei, depopis quero relatos da experiencia de vcs em um Fabia! Rs.... Aproveitem muito a viagem, estarei acompanhando vcs pelo blog! Bjao

    ResponderExcluir
  5. Adorei as dicas, vou a Budapeste em Abril com minha irmã e 2 amigas, sua guia realmente é fantástica ela que me falou da Familia Carneir, vcs são de São Paulo? a Dna Ovellha é bem bonitinha e se ela tiver algumas digas de comprinhas aceitamos
    Um abraço
    Beth e-mail bebenarciso@gmail.com

    ResponderExcluir

O Rebanho Viajante agradece o seu comentário! Viaje conosco mais vezes! ;)